17 abril 2015

A GAROTA DAS LARANJAS ~ Jostein Gardeer

Vale cada página. O livro é uma belíssima carta de amor. Uma declaração de afeto de um pai morto para seu filho adolescente. A declaração de amor de um homem para uma mulher. E mais ainda, a declaração de um ser humano para a humanidade.

O estilo da obra é em tom confessional, tom de conversa; e as cartas sempre surgem como metáfora e como elo entre os personagens.

O fato do autor quase sempre escolher contar suas histórias sob o ponto de vista de crianças ou adolescentes, em parte reforça a teoria de que com o passar dos anos, vamos perdemos a capacidade de nos encantar com o mundo. Uma vez perdido esse encanto, esvai-se nossa capacidade de admiração e questionamento.

Para evitar que Georg se torne mais um na multidão, seu pai com uma doença terminal decide deixar-lhe longa carta, contando sobre uma grande paixão vivida na juventude e mostrando de que forma o amor o salvou de uma existência medíocre.

Georg, que começa a viver as emoções do primeiro amor, absorve essas lições e amadurece no decorrer da história. 

Enfrentar os próprios medos, persistir nos desejos que valem a pena lutar, encarar o desafio diário de estar vivo com leveza e uma certa gratidão, estas são algumas das belas lições passadas ao protagonista e, por tabela, aos leitores. 

Outros livros que eu resenhei do Gardeer: 



Esquecer o Natal ~ John Grisham

Luther e Nora, deixam a filha Blair no aeroporto. Blair vai passar dois anos no Peru, ajudando crianças indígenas em uma escola local. Em...